Oficina do Sabor e Varanda lançam pratos da Boa Lembrança

Comer um prato gostoso e ainda levar pra casa uma lembrança que faça alusão àquela comida. É assim a dinâmica da associação da Boa Lembrança, que reúne restaurantes de várias partes do Brasil. Eu acho bem bacana, depois de comer algo bom levar pra casa o prato (louça) pintado com os ingredientes, assim nunca esqueço o que comi naquele lugar.

Camarão ao Coco Oco, do Oficina do Sabor

Esta semana teve um lançamento dois-em-um, de dois (ótimos) restaurantes, de uma vez só: o Oficina do Sabor, em Olinda, e o Varanda, que fica em Fernando de Noronha. Por questões de logísticas e pela amizade dos chefs das duas casas, César Santos e Auricélio Romão, o evento aconteceu no Oficina. O prato deste, aliás, é delicioso: Camarão no Coco Oco, fruto de experiências que César fez com a fruta ao longo dos últimos meses. Leva camarões, molho de coco do chef, legumes e é acompanhado por arroz de curry e purê de banana comprida (da terra).

Santo’s Santos Cesar, do restaurante Varanda

O prato de Auricélio para o Varanda já mostra a que veio antes mesmo da gente saborear: que perfume maravilhoso! O “Santo’s Santos Cesar” é uma homenagem que o chef faz ao amigo César Santos e traz uma releitura de pratos com peixes envolvidos na folha de bananeira que se encontra em Noronha: papillote de filé de peixe e camarão sobre cama de banana comprida e tomate, ao molho perfumado com leite, gengibre e curry. Sabor delicado e uma sensação de estar sendo maravilhosamente perfumada por dentro.

Tanto aqui no continente quanto lá no arquipélago há uma certeza: os pratos comprovam, mais uma vez, que os dois chefs são mestres na alquimia dos aromas e sabores.

Receita: Torta salgada com massa de grão de bico

torta salgada com massa de grão de bico

Tenho aproveitado minhas férias (vão até dia 14, portanto podem me convidar pra passear, viajar, me divertir rs) para, entre outras coisas, cuidar da saúde. Depois escrevo um post mais detalhado, mas estou tentando seguir (com uma escapadinha ou outra, rara) uma alimentação cheia de restrições, uma dieta, por causa de uma gastrite bem braba. Entre outras coisas, a minha médica gastroenterologista (ufa!) me disse pra tentar evitar trigo branco, desses comuns.

Ainda escorrego e como, vez perdida, um pãozinho francês, por exemplo, mas aproveitei as restrições pra conhecer alguns ingredientes autorizados que tinha vontade de experimenta, como a farinha de grão de bico. O grão de bico em si é uma coisa que já gosto bastante, mas como estava afim de fazer uma torta salgada há dias, queria usar farinha de trigo e já tinha visto farinha de grão de bico lá no Empório Vegetal, resolvi comprar e fazer a substituição.

Antes de dizer a receita, queria contar umas coisas boas sobre o grão de bico pra vocês: é rico em fibras, ajuda a controlar o nível de glicose, tem poucas calorias e, uma das coisa mais sensacionais: tem triptofano, que ajuda a produzir serotonina, que é aquela substância que dá uma sensação de bem-estar em alegria. Vê que coisa boa! Se sentir assim, vale lembrar, deixa a gente até mais jovem e disposto! Não são os únicos benefícios dessa leguminosa – faz aí uma busca no Google e vai achar vários outros benefícios.

Mas vamos a receita:

Não tem. Desculpa, gente, mas não tem uma receita certinha, com medidas e pronto. Apenas fui testando coisas e usando o que havia na geladeira mesmo. Mas vamos lá, relembrar:

  • Duas xícaras e mais um bocadinho de farinha de grão de bico
  • Uma xícara de água morna
  • Sal
  • Azeite

Misturei tudo até virar uma massa que não fique muito grudada nas mãos – então vai acertando o ponto aí. Depois untei e enfarinhei (com a farinha de grão de bico mesmo) uma forma de aro removível pequena e forrei com a massa de grão de bico. Aí fui colocando o que tinha:  um bocado de frango desfiado, rodelas de cebola, cenoura ralada, e duas colheres de sopa de um requeijão de soja sabor provolone (juro) que comprei. Mas, olha, pode ser requeijão comum, palmito, queijo, ovo cozido, atum…vê aí o que você tem pra colocar na torta e coloca. Temperei com sal e cúrcuma (por isso o recheio tá amarelinho). Misturei, coloquei por cima da massa e salpiquei noz moscada por cima. O pulo do gato foi cobrir o recheio com dois ovos batidos. Pronto, foi ao forno até que o palito que coloquei no meio saísse praticamente limpinho e a borda já estivesse firme, mas sem queimar.

Pronto, ficou bonita e uma delícia! Vai fazendo aí, do seu jeitinho, inventa algo e depois me conta. Bom apetite!

P.S. Tem muita gente que faz a massa cozinhando o grão de bico e passando ele no processador depois. Mas, como a massa existe, resolvi fazer de modo mais prático.