Novo Bridget no cinema: voltei a me empolgar

Confesso que não estava nem um pouco animada pro novo filme de Bridget Jones que está pra chegar aos cinemas. Mas é que eu não havia lido nada a respeito e jurava que era baseado naquele último livro do qual eu já havia escrito aqui no blog e que eu não havia curtido, lembra? (quem não lembra lê agora rs). Mas aí, às vésperas do filme estrear, voltei a me animar…

Revi esse trailer

Bridget 

 

Vi Renèe ZellWeger linda, na pré-estreia, na Inglaterra e junto dos lindões Patrick Dempsey e Colin Firthbridget

Sobre as fotos acima duas coisas a dizer:

  1. Que vestido fantástico, esse vestido de seda azul Schiaparelli, midi, com um broche maravilhoso, adornando uma fenda divina e um ombro só…qual o melhor elogio, gente? Apenas quero esse vestido pra mim!
  2. Lembrem que Renée tem 47 anos, Patrick tem 50 e Colin tem 55 anos e os três estão sensacionais! E danem-se vocês que ainda falam mal das plásticas e procedimentos que ela fez, que agora estou achando ela ótima, sim! Cada um faz o que quiser pra se sentir bem, afinal.

O filme tem previsão pra chegar por aqui lá pelo dia 29 e eu JÁ QUERO ver Bridgetzinha grávida, louca, enjoada, com nenem nos braços, disputada por dois homens lindos-e-maravilhosos e…gente, voltei 12 anos no tempo?

 

Cientistas descobrem a “idade real”

pessoas mais velhas saudáveis

Você pode não ter chegado ainda aos 40 anos. Ou já ter passado dessa idade há muito tempo, apesar do que diz a sua certidão de nascimento. É que cientistas britânicos divulgaram esses dias que desenvolveram um exame de sangue simples que poderia “dizer” qual a verdadeira idade de uma pessoa – do seu físico, na verdade. Isto significaria que a idade que você tem cronologicamente seria apenas um número sem tanto significado (a gente sempre soube disso, né?).

Pois bem, os cientistas do King’s College London, em parceria com outras instituições, depois de um estudo de sete anos, conseguiram identificar sinais que mostram quanto uma pessoa estaria ou não envelhecendo bem e se teria sinais de desenvolver doenças relacionadas à idade.  Detalhe: a real idade mostrada nesse estudo independe do estilo de vida da pessoa que faz esse teste de sangue, é algo puramente genético mesmo.

O teste, que pesquisa 150 genes, poderia prever Alzheimer e demência antes mesmo que se desenvolvessem, por exemplo. Isso pode ajudar a desenvolver tratamentos para prevenir esses males. O desenvolvimento desse trabalho pode resultar em tratamentos que podem prolongar a boa saúde até que as pessoas se tornem – também cronologicamente – mais velhas, algo que interessa a todos, pois resultaria em uma sociedade – que está envelhecendo, em todo o mundo – mais saudável.

Veja mais sobre a pesquisa no site do King’s College.