Restrição calórica, mais tempo de vida

Macacos da mesma idade, mas o da esquerda visivelmente com aparência mais jovem – foto da Winsconsin-Madison University

A dieta da restrição calórica, do jejum intermitente, está longe de ser um consenso entre médicos, tanto no que se refere ao emagrecimento saudável quanto aos benefícios mesmo ao organismo. Mas, veja só, cientistas de dois laboratórios, o da Universidade de Winsconsin-Madison e National Institute of Aging, ambos nos Estados Unidos, uniram forças e chegaram à una conclusão: uma dieta restritiva pode prolongar a vida.

O estudo foi feito com mais de 200 macacus rhesus e concluiu que aqueles que comiam menos viviam mais e tinham menos problemas de saúde. Porém com alguns pontos:

  • Só funcionou em macacos já com mais idade – nos jovens não fez diferença – acho isso importante, algo que você pode fazer quando já tem certa idade, não quando é “tarde demais”.
  • Não é só uma questão de restrição calórica, mas também do que se come, se tem menos ou mais açúcar, por exemplo
  • Quando se fala em restrição calórica é restringir mesmo, comer pouquíssimo!

A pesquisa, vale repetir, foi feita com macacos. Ainda faltam mais pesquisas com humanos para saber como reagiriam, mas essas já estão em andamento. Além disso, a espécie de macacos pesquisada, rhesus, tem mutas semelhanças com humanos. Será que o futuro da longevidade é comer menos? Mais que isso: estão dispostos a isso?