Como se tornar um “SuperAger”, a “Super Pessoa de Idade”

Elderly in superhero costume isolated on white background

Existe um determinado grupo de pessoas que os cientistas estão chamando, principalmente nos Estados Unidos, de “superager”, ou seja, os super “pessoa de mais idade” – pessoas mais velhas, mas com características superiores. O neurologista Marsel Mesulan diz que os superagers não são pessoas apenas que têm boa memória ou uma mente um pouco acima da média pra idade, mas que estão no mesmo nível de jovens de 25 anos que estão plenamente em forma!

Outra neurologista, Lisa Feldman Barret, estudou 17 desses “superagers” (acima dos 65 anos) e descobriu que partes do cérebro deles, em comparação ao cérebro de pessoas “normais” da mesma idade, eram mais espessas, mais grossas mesmo. Essas áreas, poderia se imaginar que seriam ligadas ao raciocínio, ao cognitivo, mas, na verdade, são  o sistema límbico e o lobo da ínsula, regiões do cérebro responsáveis pelo emocional! Isso já mostra o quanto questões como “obstinação”, “vontade” e “garra” contribuem que se forme esse superager.

Mas, como se tornar uma super-pessoa-de-idade? Depois de se descobrir que essa área responsável pelo nosso emocional também é responsável pelo estresse, linguagem, funcionamento dos cinco sentidos e até regulação dos órgãos internos, os cientistas foram adiante. Os cientistas ainda estão estudando que atividades realmente funcionam para que a pessoa se torne um “super”, tenha um super cérebro e um super físico, mas algumas coisas já são apontadas:

  • Exercícios vigorosos – até deixar exausto mesmo
  • Atividades mentais quase extenuantes (como problemas matemáticos)

Pois é, nada fácil. Os cientistas mesmo dizem que é comum que o caminho para se tornar um “super” seja difícil demais para a maioria, que grande parte sinta-se cansado demais e até frustrado. Mas os estudiosos também dizem que essa “dor” seria a construção dos músculos, mesmo os mentais.

Então as palavras cruzadas e o Sudoku não bastam, tem que ir até não suportar mais…e prosseguir, sem desistir. Aprender um novo idioma ou aprender música seriam bons exercícios para o cérebro. Nadar e correr, para o corpo. E, assim, você começa a construir uma camada mais “casca grossa” no seu cérebro, e, talvez, torne-se também uma super-pessoa-de-idade. A dica é começar já!

No site do Journal Neuroscience você vê o estudo completo.

No site do The NY Times você vê um bom resumo sobre o assunto.

(ambos em inglês – pra já começar a exercitar o cérebro rs).

Estudo diz que quem tem mais de 40 anos deveria trabalhar menos

relogiodeponto pb horas trabalho work clock

Quantas horas você trabalha por semana? Há um estudo recente que diz que pessoas a partir dos 40 anos deveriam trabalhar apenas três vezes por semana, porque, assim, “renderiam” melhor. O desempenho cognitivo das pessoas “de meia-idade” (ai!) funcionaria melhor para quem trabalhasse até 25 horas semanais (na verdade, entre 25 e 30 horas para homens e entre 22 e 27 para mulheres, comparado a quem trabalha 55 horas semanais.

Detalhe: esse é o resultado de um trabalho científico sério, publicado Melbourne Institute Worker Paper, na Austrália, depois de uma pesquisa feita com três mil homens e 3500 mulheres. O estudo tem um contraponto: na mesma medida que trabalhar estimula a atividade cerebral, o excesso de tempo trabalhando diminuiria as funções cognitivas. A causa disso seria a fadiga e o estresse – aí chega naquele ponto em que a gente não rende mais nada.

Faz sentido, né? O que você acha disso? Eu acho tudo bem interessante, mas duvido muito que conseguisse dar conta de tudo que há pra fazer indo apenas três vezes por semana. Ia dar não, hein.

=> Fiquei sabendo desse estudo pela amiga Ju Lopes, que me passou esse link. Quem quiser ver a publicação original sobre o estudo (em inglês), clica aqui

A crise da meia-idade é real!

crise de meia idade midlife-crisis-ahead

Será que a “crise de meia-idade” existe mesmo ou é apenas uma piada ou, ainda, uma desculpa para algumas mudanças de comportamento? A Royal Economic Society – associação britânica de estudos econômicos e sociais que envolve a universidade, governo, serviços bancários e outros representantes da sociedade – revelou um estudo chamado (em tradução livre) “Evidências de que o bem-estar humano atinge seu nível mais baixo no início dos 40 anos” que mostra que é algo verdadeiro!!

Mid life crisis U curve

Para chegar a esse resultado foi feita uma pesquisa com 50 mil pessoas no Reino Unido e na Austrália. A pesquisa mostrou que a felicidade e o bem-estar começam a fazer uma curva em forma de “U”, a partir do começo da vida adulta, atingindo o seu ponto mais baixo entre os 40 e 42 anos. Ou seja, nessa idade bateria uma “crise” e não acharíamos nada legal.

Na verdade, já se sabia que essa curva em U era comum, mas é a primeira vez que a pesquisa é feita em vários países ao mesmo tempo e que se confirma um padrão. Entre outros dados, percebeu-se que as muitas responsabilidades da pessoa no começo dos 40 influem bastante e seria a época em que mais se trabalha. Ter ou não filhos não faz diferença, pelo que viram. Bem, a boa notícia é que depois dessa idade a curva volta a fazer um movimento ascendente. Ufa!

Agora me diz o que você acha da crise de meia-idade! Já está percebendo isso em você?

Veja mais sobre a pesquisa aqui.