Romãs para combater o envelhecimento

A romã, aquela fruta que por aqui se come principalmente nos finais de ano, pode ser uma aliada no combate ao envelhecimento. É o que dizem pesquisadores da Universidade de Lausanne, na Suíça. A notícia não é de hoje, é de 2016, mas eu ainda não havia publicado aqui no blog, então tá valendo. Os cientistas descobriram na fruta uma substância chamada urolithin A, que aumentou nos animais a resistência pra correr em 42%.

Essa substância é transformada no intestino e faz com que as células se protejam contra o envelhecimento, reciclando os componentes das mitocôndrias. Isso significa que não adianta se encher de romãs, porque o que vale mesmo é o elemento já transformado no intestino – e cada um é um, não reagem todos do mesmo modo, então nem todos produziriam a urolithin A. Mas, veja só, pode ser que venha um suplemente alimentar poderoso e totalmente natural por aí, que nos encha de energia! Os testes em humanos já começaram a ser feitos. Aguardemos.

 

Cientistas descobrem nosso “timer do envelhecimento”

Cientistas italianos descobriram recentemente a proteína que ligaria o “timer” do nosso envelhecimento, ou seja, o elemento que “ligaria” o botão “está na hora de envelhecer” do nosso organismo. Trata-se de uma molécula chamada Tzap, que ligaria as extremidades de nossos cromossomos, área chamada de “telômeros”.

Todo mundo nasce com telômeros de tamanhos determinados, que vão ficando menores cada vez que as células se dividem. Quando esses telômeros, essas extremidades, ficam curtas demais, a célula não se divide mais e começa a envelhecer.

Esses movimentos precisam ser muito bem ajustados, tanto para que o corpo também perceba o que precisa ser renovado e regenerado na gente, quanto para que não haja o excesso e surjam tumores, por exemplo. A proteína Tzap assegura que a célula não se prolifere demais.

A descoberta, por enquanto, vai até aí. Mas, já pensou se os cientistas descobrem um meio de fazer com que a Tzap retarde esse processo de “quebra”, de diminuição dos telômeros, por exemplo? Será que assim também poderiam retardar o processo de envelhecimento ou mesmo ter um controle mais efetivo sobre células cancerosas? É ao pensar nisso que vemos quão grande é essa descoberta.

O Brasil está envelhecendo – série do Jornal Nacional

Imagem daqui

“Aquela frase que dizia que o Brasil é um país jovem já não faz mais sentido. Hoje nós somos um país adulto, caminhando pra velhice”. Foi assim que Willian Bonner começou a apresentação de uma série de reportagens do Jornal Nacional, iniciada ontem (02/01), sobre a importância de se preparar para essa fase da vida, a velhice.

Achei bem importante trazer isso aqui pro blog, uma vez que esse espaço trata especificamente de idade, de um meio de caminho entre o ser jovem e o ser idoso. Talvez grande parte de nós ainda não se ligou e muito menos se prepara para quando chegar à terceira idade, mesmo os que já pensaram alguma vez que poderia ter se preparado melhor, quando estava lá pelos 20 anos, para quando chegasse aos 40. É aquilo da gente viver demais o presente, mas não planejar devidamente o futuro, né?

A primeira matéria da série é bem interessante e você pode vê-la aqui

Fica a pergunta: você está se preparando para a sua velhice?

Envelhecendo juntos

Esse vídeo nem é novo, é do ano passado, mas reencontrei com ele pela internet e achei que valia a pena relembrar dele, pela curiosidade. O casal acima ia se casar dentro de pouco tempo e passo pela experiência interessante de, com maquiagem e próteses, de ter uma ideia de como ficariam, fisicamente, em 100 anos. Será que estariam preparados para o que veriam no  outro? Veja o vídeo e confiram!

É bem interessante acompanhar essa “adiantada” no processo de envelhecimento não só do companheiro, mas no seu mesmo. Deve ser meio assustador se deparar, em poucas horas com seu eu “#novos90”, não acham?

A crise da meia-idade é real!

crise de meia idade midlife-crisis-ahead

Será que a “crise de meia-idade” existe mesmo ou é apenas uma piada ou, ainda, uma desculpa para algumas mudanças de comportamento? A Royal Economic Society – associação britânica de estudos econômicos e sociais que envolve a universidade, governo, serviços bancários e outros representantes da sociedade – revelou um estudo chamado (em tradução livre) “Evidências de que o bem-estar humano atinge seu nível mais baixo no início dos 40 anos” que mostra que é algo verdadeiro!!

Mid life crisis U curve

Para chegar a esse resultado foi feita uma pesquisa com 50 mil pessoas no Reino Unido e na Austrália. A pesquisa mostrou que a felicidade e o bem-estar começam a fazer uma curva em forma de “U”, a partir do começo da vida adulta, atingindo o seu ponto mais baixo entre os 40 e 42 anos. Ou seja, nessa idade bateria uma “crise” e não acharíamos nada legal.

Na verdade, já se sabia que essa curva em U era comum, mas é a primeira vez que a pesquisa é feita em vários países ao mesmo tempo e que se confirma um padrão. Entre outros dados, percebeu-se que as muitas responsabilidades da pessoa no começo dos 40 influem bastante e seria a época em que mais se trabalha. Ter ou não filhos não faz diferença, pelo que viram. Bem, a boa notícia é que depois dessa idade a curva volta a fazer um movimento ascendente. Ufa!

Agora me diz o que você acha da crise de meia-idade! Já está percebendo isso em você?

Veja mais sobre a pesquisa aqui.