Wendy Ida, em forma aos 64, começou depois dos 40

Se você é daquelas pessoas que vê alguém super em forma e logo imagina que aquele ser deve ter se exercitado a vida inteira, talvez desde a adolescência, e não adiantaria nada começar agora, convido a conhecer Wendy Ida.

A canadense de 64 anos tem um corpão e saúde de dar inveja a muito jovenzinho e é bem comum que achem que ela tenha até 30 anos a menos do que a idade real dela. O detalhe é que Wendy só começou a se exercitar e seguir uma dieta mais saudável a partir dos 43 anos de idade, depois de ter passado por um relacionamento abusivo.

Entrou de cabeça nessa rotina saudável e o resultado é a conquista de oito títulos em competições de fisiculturismo e hoje é instrutora em uma academia. Dieta rígida, com muita proteína, e pelo menos duas horas de exercícios, diariamente.

Quem quiser, pode acompanhar o Instagram de Wendy para seguir o exemplo. Ela mesma diz: ““Quero ser uma inspiração para todos que dizem ‘Eu estou muito velho e não posso fazer”. A cara do #Novos40, não acham? Então vamos mexer, gente!

P.S. Tudo isso pra celebrar o fato de eu ter voltado à ioga ontem e, digo, foi super puxada, com muitos alongamentos, força e equilíbrio. Espero não abandonar desta vez. ;)

Jogador de futebol americano…aos 55

 

Imagem: FOX Sports

Imagem: FOX Sports

Alguns sonhos que a gente vai deixando pra mais tarde – e eu super incentivo que você os tente realizar, seja lá quando quiser e puder – são até relativamente simples de serem realizados, especialmente quando dependem só da gente mesmo.

Mas, e quando parecem impossíveis? Parece que o lance é acreditar ainda mais! Veja só o exemplo de Joe Tomas Sr, dos Estados Unidos, que por 36 anos sonhou em jogar futebol americano pelo time universitário pela South Carolina State University e agora, aos 55 anos, realizou o sonho! Ele se tornou o running back mais velho da história do time. Pra chegar lá, ele teve ajuda do filho, o jogador profissional Joe Tomas Jr.

Foi só por um dia, mas o desejo foi atendido e ele jogou e o time ganhou. Isso é mais que suficiente, não acham? Mais um ponto pra o “nunca é tarde” que o #Novos40 tanto prega.

Vi a história no Blavity.

Os estagiários de 40 anos

estagiario

O post não é sobre aquele filme “O Senhor Estagiário”, sobre o qual escrevi há tempos, mas sobre a vida real: com a crise e a falta de empregos, tem muita gente de 40 anos de idade ou mais conseguindo vaga de estagiário em empresas. Um recomeço mesmo, novos caminhos. Vi o assunto esta semana em uma matéria no Bom Dia Brasil, não sei se vocês acompanharam – vale dar uma olhada.

Muitas empresas têm visto os “quarentões” como vantajosos porque têm vontade de aprender, têm garra, responsabilidade, tranquilidade e não “acham que sabem de tudo”, como muitas pessoas mais jovens. Já são milhares de estagiários com mais de 40 anos em todo o país. Bem, como tudo que existe, a novidade tem coisas boas e ruins:

Os salários são mais baixos (e o mercado quer pagar menos a pessoas com boa experiência, sejamos claros), mas pode ser um “abre portas” para um emprego, um despertar para uma nova carreira. E, em tempos de crise, uma saída para um dinheiro extra, afinal. A matéria do Bom Dia Brasil foi feita a partir de uma pesquisa do CIEE. O vídeo completo da matéria sobre estagiários com mais de 40 anos pode ser visto aqui.

“First Comes Love” – a batalha relógio biológico x vontade de ter filhos

Eu, realmente, não sei. Não adianta me forçar a barra, perguntar, lembrar que em poucos meses farei 43 anos e que já tirei miomas do útero…realmente não sei se toparia ter filhos “sozinha”, melhor, a chamada “produção independente”. Há um tempo vi o documentário “First comes Love”, disponível no Netflix, escrito, dirigido, produzido, editado, filmado e editado por Nina Davenport, pra ver se me vinha uma “luz” (com trocadilho) sobre o assunto.

A documentarista mostra a sua saga pessoal para ter a sua produção independente, fora do convencional, após os 40 anos de idade. Porém, válido dizer, com apoio de uma amiga querida (bata apoio mesmo, que esteve ao lado durante toda a gestação e até no parto), com um amigo gay bem de vida e saudável como doador do esperma, um namorado que tinha um carinho quase paterno pelo menino antes mesmo dele nascer e ela própria um enorme desapego por muitas coisas – materiais, especialmente.

O grande problema de Nina era com o pai e a perda da mãe no decorrer da história foi extremamente pesado, mas ela  teve  um apoio que, provavelmente, pouquíssimos teriam. De qualquer modo, não é leve, é bastante pesado mesmo. O documentário é muito verdadeiro, mostra como ela precisou abrir mão de tantas coisas, mas que, para ela, provavelmente fosse mesmo o mais importante – afinal, era o filho o que ela mais queria.

Não consegui ver o vídeo inteiro de uma só vez. Lembrei de momentos em que poderia ter acontecido do jeito que eu imaginava e não aconteceu. E me liguei que hoje nem imagino mais nada muito exato. Se acontecer, ótimo. Se não, ok. O que quero? Não sei. Melhor não querer nada e esperar que aconteça, aprendi isso com o tempo. Mas se um filho me acontecesse eu ficaria feliz e tentaria ser forte, como fui em outros momentos que achava que não conseguiria, mas fui.

First Comes Love, by Nina Davenport.

First Comes Love, by Nina Davenport.

Talvez não conviver com crianças não me desperte tanto isso – não tenho sobrinhos e quase não vejo os filhos de primos ou de amigos. Meu relógio biológico não vai demorar muito a parar por si só, mas há métodos pra prolongar essa história…e o que rolar, rolará, pronto. Já me aperreei mais com isso, há outras coisas para me aperrear. E sempre há adoção, afinal.

Aconselho ver o documentário. É emocionante, engraçado, tocante, sério, verdadeiro e ganhador de muitos prêmios (merecidos). Tem também livro e página do Facebook sobre o assunto. Pra ver tudo. acesse o site aqui.

Milionárias depois dos 40

piscina-de-dinheiro

Há dias estou com essa matéria que li no Mail Online (jornal britânico) pra repercutir aqui, sobre três mulheres que ficaram milionárias depois dos 40!

Uma é Belinda Grashion, que, aos 41, mãe solteira, vivia de coletar benefícios e fazia massoterapia em meio expediente. o dinheiro não era suficiente nem pras filhas irem nos passeios da escola. Ela, que nunca havia trabalhado, participou de um workshop e passou a trabalhar no setor imobiliário, pegando casas que estão com hipotecas vencidas, valorizando-as e repassando-as a valores mais altos (ou algo assim). Deste modo construiu uma fortuna em apenas quatro anos e, hoje, aos 56, gaba-se das casas milionárias, dos carros que tem e das viagens que faz.

Outro exemplo é Bernadette Doyle, 41 anos, ficou milionária como uma espécie de consultora., ensinando pessoas a maximizarem seus lucros mexendo em aspectos dos seus negócios online. Hoje ela tem uma vida confortável, faz parte de um grupo de consultores empreendedores e leva os filhos em viagens ao redor do mundo.

O terceiro exemplo é Geeta Sidhu-Robb, mãe de três, dona de uma empresa de comida saudável. Já trabalhou como advogada, morou de favor, com os filhos, na casa de amigos e já chegou a parar em um hospital, de pura exaustão. Pra poder trabalhar de casa, começou a fazer comida saudável para vender aos amigos, um negócio que fez tanto sucesso que acabou vendendo seus produtos pela Amazon. Hoje ela tem 49 anos e está rica.

money-idea

Talvez a gente caia logo naquela de dizer que é sorte, já que tanta gente tenta o mesmo que elas, sem o mesmo sucesso. Mas prefiro focar em outros aspectos: elas não se apegaram ao fator idade ou a outros problemas que tinham – observe que todas tinham filhos, por exemplo – mas focaram no que precisavam fazer para que tudo desse certo, procuraram e acharam um nicho em que pudessem atuar e foram persistentes até que conseguissem.

Bom pra gente se ligar que não tem idade pra começar um novo negócio e – quem sabe? – até dar tão certo quanto o dessas mulheres da matéria? Elas são pessoas comuns, nada fora do normal, que tiveram boas ideias e as agarraram. O negócio é esse: não deixar as boas ideias escaparem!

Você vê a matéria original aqui.

 

Marion Cotillard, 41, grávida

marion-cottilard

A atriz francesa Marion Cotillard anunciou há poucos dias que está grávida do seu segundo filho, isso poucos dias depois de ter sido jogada no meio de um dos boatos da separação de Brad Pitt e Angelina Jolie (e logo ter dito que não tem nada a ver com o assunto do casal). Cotillard, que tem 41 anos, é conhecida, entre outros filmes, pelos seus papeis em Piaf (pelo qual ganhou o Oscar), Inception e Big Fish, entre outros.

Foi ela mesma que anunciou a gravidez, há duas semanas, pelo próprio Instagram, com um post com verdades bem ditas pra quem estava dizendo o que não devia, já que ela acabou falando nisso só porque estavam dizendo que ela seria o pivô da separação do casal Brangelina (isso porque ela está lançando um filme com ele)!

marion-cotrillard-post-pregnant

“Esta vai ser minha primeira e única reação à notícia-turbilhão que quebrou 24 horas atrás e que eu estava preso em mim. Eu não estou acostumada a comentar sobre coisas como esta, nem levá-las a sério, mas que esta situação é uma espiral e afetando pessoas que eu amo, eu tenho que falar. Em primeiro lugar, muitos anos atrás, eu conheci o homem da minha vida, pai do nosso filho e do bebê que está esperando. Ele é o meu amor, o meu melhor amigo, o único que eu preciso. Em segundo lugar àqueles que têm indicado que estou arrasada, estou muito bem, obrigada. Essa conversa elaborada não é angustiante.
E a todos os meios de comunicação e os inimigos que são rápidos para julgar, eu sinceramente desejo-lhe uma rápida recuperação. Finalmente, eu faço muito desejo de que Angelina e Brad, tanto a quem eu respeito profundamente, vai encontrar paz neste momento muito tumultuado.
Com todo o meu amor”.

De tudo isso, só uma coisa: que desnecessárias, essas fofocas. Nada a dizer sobre o casal, mas muita saúde a Marion, a nova mamãe quarentona, e seu bebê! :)

Plástica pra quê? – Entrevista!

cirurgia plastica

Esta semana tive um papo bem interessante com o cirurgião plástico pernambucano Ernani Coelho Alencar. Como as cirurgias têm sido cada vez mais procuradas para corrigir alguns problemas ou retocar partes do corpo para que as pessoas sintam-se melhores consigo e, ainda, estão mais acessíveis, achei por bem trazer essa conversa pra cá. Até porque depois dos 40, de acordo com o próprio médico, temos um público que já sabe no que quer ou não mexer no corpo e com poder aquisitivo pra fazer essas intervenções.

cirurgião plástico ernani coelho alencar

Vamos à entrevista

O que as pessoas com mais de 40 anos normalmente buscam quando pensam em fazer cirurgia plástica estética?

Hoje em dia as pessoas, especificamente, as mulheres de 40 anos são muito diferentes do que eram há alguns anos. Elas têm muito cuidado com o corpo, frequentam academia e fazem dieta. Entre os 35 e 40 algumas estão no pós última gravidez, então querem “arrumar a casa”, cuidar do que ficou fora do lugar, tirar o excesso de pele. É quando muitas colocam próteses nos seios e fazem lipoaspiração, este último também bem comum entre os homens, que querem tirar aquela gordurinha que não sai com facilidade na academia. 

Entre os 40 e os 50 anos é um momento de transição, em que algumas começam a se preocupar também com o rosto. No corpo, continuam as lipo, mas algumas, quando colocam as próteses de mama também já fazem a mastopexia, que é suspender os seios.

Quanto custa, em média, fazer uma cirurgia plástica, hoje?

Depende do local, da extensão e do que vai precisar, mas hoje, com 20 mil reais você faz plástica do que quiser, mesmo as combinadas (cirurgia de mais de uma parte do corpo, como próteses + lipoaspiração). É bem mais acessível do que muitos pensam. 

O que você destacaria de diferente entre as pessoas de 40 anos de hoje de um tempo atrás?

Há pouco tempo quem tinha 40 anos parecia mais com uma pessoa de 50. Hoje quem está por volta dos 40 anos de idade se confunde facilmente com quem tem 30 anos, especialmente no corpo, já que se cuidam bem. Como se cuidam mais, a pele é melhor e os resultados das cirurgias também se mostram cada vez melhores. A próxima geração, que hoje está começando os 20 anos, deveria ficar mais atenta aos de 40 de hoje, porque o sedentarismo e a obesidade estão aí, então é melhor se ligar logo. 

Quais são os motivos que levam alguém a passar por uma cirurgia plástica estética depois dos 40 anos?

Porque querem se sentir bem consigo, vestir uma roupa provocante, por exemplo, e se sentir bem. Algumas dessas pessoas até quiseram fazer antes, mas não tinham condições financeiras ou mesmo diziam que seria melhor “esperar” – por exemplo, erradamente se dizia que só poderiam fazer algum procedimento de mamas depois que engravidassem e tivessem filhos, quando até podem fazer antes. Os homens hoje também têm menos receio de assumir a própria vaidade. 

Depois dos 40 começam a se preocupar com o rosto. Na verdade, depois dos 45 anos vêm preocupações com rugas, linhas de expressão, flacidez do rosto.

O que mudou nas cirurgias plásticas de rosto?

A forma de fazer as cirurgias mudou, as técnicas são diferentes, menos invasivas. Aliás, de modo geral, as cirurgias são menos traumáticas e de recuperação mais rápida. No rosto, a pele não fica tão esticada, os resultados são bem mais naturais do que eram há algum tempo. Não ficam todos com um rosto padrão de quem fez plástica, tem-se um resultado bonito e harmônico, que é o que todos querem. Não querem ficar parecidas como uma pessoa famosa, mas apenas melhorar o que são. 

Por onde normalmente começam?

Normalmente é por algo simples, que não é cirurgia, como o botox. Hoje talvez poque popularizou, há quem fale mal de botox, digam que se usa sem precisar, mas é algo fantástico, nem cirurgia tem resultados tão bons e pode ser feito a cada seis meses, sem problemas.  Depois partem para outras coisas, como levantar pálpebras. 

O que destacaria nesse público de 40 anos?

Homens e mulheres, quando chegam nessa idade, sabem que não têm obrigação de dar satisfação a ninguém – se quer fazer, faz, não precisa pedir autorização a ninguém e nem precisa da opinião alheia. O paciente faz a cirurgia porque quer o melhor para si, querem se sentir bem consigo mesmos. Se há algo que incomoda, vão a um cirurgião plástico e mudam. 

É isso, gente. Não entendam a entrevista como um incentivo para que façam cirurgias plásticas, mas apenas um esclarecimento de como estão as coisas hoje e o que outras pessoas de 40 anos têm feito. Se está feliz do modo que está hoje, maravilha! Se tem vontade de fazer uma plástica, procure um bom profissional, cheque todas as referências e vá.

É lembrar que isso não vai resolver todos os seus problemas e que seus 20 anos não voltarão assim – mas, afinal, nós somos #Novos40, não precisamos voltar no tempo, precisamos é viver bem conosco!

  • O cirurgião plástico Ernani Coelho atende no Recife e em Caruaru e Petrolina. Você acha os contatos dele aqui.

A Bela Velhice – vídeo

O tamanho da vaidade no Brasil. De um lado, algo positivo: a mulher brasileira investe cada vez mais em si mesma. De outro, o negativo: uma insatisfação eterna consigo. Aceitar o processo de envelhecimento ou tentar se “congelar” no tempo? Esse vídeo da antropóloga e escritora Miriam Goldenberg é bem curtinho, tem menos de cinco minutos, mas faz pensar um bocadinho a este respeito. Olha só:

a bela velhice | com mírian goldenberg from Henrique Lukas on Vimeo.

O vídeo trata do livro “A Bela Velhice”, de autoria da própria Miriam Goldenberg e lançado em 2013. Na obra ela trata do envelhecimento da sociedade, do significado de “envelhecer” na nossa cultura, sobre felicidade na velhice, ao mostrar que a “bela velhice” está ligada a um “belo projeto de vida”.

Taí um livro que preciso ler, afinal, estou envelhecendo – não a partir dos 40, mas desde que nasci, assim como você e qualquer outra pessoa, certo?

Mudar de carreira depois dos 40: será que dá?

mudar carreira depois dos 40

Um ano novinho em folha vindo por aí e muita gente começa a fazer planos para os dias que estão por vir. Isso inclui, algumas vezes, mudar de carreira. Mas, a gente sabe: isso já não é tão fácil, menos ainda para quem já passou dos 40 anos. Mas não pense que é tarde demais, ainda dá pra mudar, sim, em qualquer idade! A questão é que você vai ter que se dedicar bastante a isso, como teria com qualquer outro negócio, mas aqui a questão é mostrar o seu diferencial e as vantagens de contratarem uma pessoa com mais idade.

A questão da experiência pode ser bem positiva, se mostrada do modo correto. É possível, afinal, que você tenha passado por situações que os mais jovens ainda não vivenciaram e saberá com mais facilidade como agir naquele momento. Também pode ser que, a esta altura do campeonato, você já tenha formado uma boa rede de relacionamentos – isso conta bastante, em qualquer tipo de trabalho. Além disso, já sabe que comportamentos podem atrapalhar o sucesso de uma carreira e já tem maturidade para saber como lidar com diversos públicos.

Bem, o Uol publicou uma matéria bem interessante, com dicas para quem quer mudar de carreira mas acha que já passou da idade. Pode tratar de arregaçar as mangas e “botar pra moer”! Ainda dá tempo de traçar e seguir novos rumos, sim!

Antes tarde do que mais tarde

Sabe o programa Saia Justa? Aquele que passa no canal GNT, com Astride Fontenele, Maria Ribeiro, Monica Martelli e Barbara Gancia, em que, sentadas no sofá, conversam sobre assuntos diversos do universo feminino! Nem sempre assisto, mas o desta semana trouxe um tema interessante, que tem tudo a ver com o Novos40: sobre aquela lista de coisas que você sempre quis fazer, ainda não fez e acha que, por causa da idade, não dá mais tempo.

Bem comum a gente pensar nisso, né? Entre mulheres de mais de 40 anos que não tem filhos, mas querem ter um dos temores é não conseguir mais engravidar. Isso até que a gente lembre que hoje existem tratamentos para facilitar esse processo. Entre as coisas que as apresentadoras do Saia Justa falaram que ainda querem fazer, mas não sabe se dará tempo estão: aprender música, ler todos os livros da própria estande, morar uma temporada no exterior e aprender mergulho. Nada estrambólico, como podem ver.

Mas a melhor parte do programa foi esse vídeo no início do post, mostrando gente que começou a fazer coisas interessantes apenas “depois de certa idade”. Um ânimo pra quem está desanimado em iniciar novos desafios, não acham? Então trate de desamassar aquele papel onde você escreveu tudo que ainda tem vontade de fazer e comece a colocar em prática!

P.S. Infelizmente não tem (ou não achei) o programa completo online. Se você tem o canal GNT na sua casa, aconselho procurar pela reprise desse Saia Justa.

P.S. 2- Se o vídeo não rolar, clica lá no link que aparece pra ver no site da Globo mesmo, que vale a pena.