Uma playlist para as crianças de mais de 40 anos

Feliz Dia das Crianças, gente!

Mas o que faz isso em um blog para pessoas que têm a partir de 40 anos? Já fomos crianças, ora essa, e a gente nunca deveria deixar de ser, pelo menos um pouquinho – fora que entre os leitores do blog muitos tem filhos.

Então vou deixar um presente para relembrar a infância dessa turminha: uma playlist no Spotify com aquelas músicas que passaram nas noites da Globo. Tem Pirlimpipim, Arca de Noé e Plunct Plact Zum da TV, Os Saltimbancos (do teatro) e Os Saltimbancos Trapalhões (do cinema). Ouçam e aproveitem!

“First Comes Love” – a batalha relógio biológico x vontade de ter filhos

Eu, realmente, não sei. Não adianta me forçar a barra, perguntar, lembrar que em poucos meses farei 43 anos e que já tirei miomas do útero…realmente não sei se toparia ter filhos “sozinha”, melhor, a chamada “produção independente”. Há um tempo vi o documentário “First comes Love”, disponível no Netflix, escrito, dirigido, produzido, editado, filmado e editado por Nina Davenport, pra ver se me vinha uma “luz” (com trocadilho) sobre o assunto.

A documentarista mostra a sua saga pessoal para ter a sua produção independente, fora do convencional, após os 40 anos de idade. Porém, válido dizer, com apoio de uma amiga querida (bata apoio mesmo, que esteve ao lado durante toda a gestação e até no parto), com um amigo gay bem de vida e saudável como doador do esperma, um namorado que tinha um carinho quase paterno pelo menino antes mesmo dele nascer e ela própria um enorme desapego por muitas coisas – materiais, especialmente.

O grande problema de Nina era com o pai e a perda da mãe no decorrer da história foi extremamente pesado, mas ela  teve  um apoio que, provavelmente, pouquíssimos teriam. De qualquer modo, não é leve, é bastante pesado mesmo. O documentário é muito verdadeiro, mostra como ela precisou abrir mão de tantas coisas, mas que, para ela, provavelmente fosse mesmo o mais importante – afinal, era o filho o que ela mais queria.

Não consegui ver o vídeo inteiro de uma só vez. Lembrei de momentos em que poderia ter acontecido do jeito que eu imaginava e não aconteceu. E me liguei que hoje nem imagino mais nada muito exato. Se acontecer, ótimo. Se não, ok. O que quero? Não sei. Melhor não querer nada e esperar que aconteça, aprendi isso com o tempo. Mas se um filho me acontecesse eu ficaria feliz e tentaria ser forte, como fui em outros momentos que achava que não conseguiria, mas fui.

First Comes Love, by Nina Davenport.

First Comes Love, by Nina Davenport.

Talvez não conviver com crianças não me desperte tanto isso – não tenho sobrinhos e quase não vejo os filhos de primos ou de amigos. Meu relógio biológico não vai demorar muito a parar por si só, mas há métodos pra prolongar essa história…e o que rolar, rolará, pronto. Já me aperreei mais com isso, há outras coisas para me aperrear. E sempre há adoção, afinal.

Aconselho ver o documentário. É emocionante, engraçado, tocante, sério, verdadeiro e ganhador de muitos prêmios (merecidos). Tem também livro e página do Facebook sobre o assunto. Pra ver tudo. acesse o site aqui.

Feliz Dia das Crianças!

Quem disse que quem passou dos 40 não pode comemorar o Dia das Crianças? Se é pra arrumar uma desculpa pra brincar, basta participar ativamente das brincadeiras de filhos, sobrinhos, afilhados ou filhos de amigos. Mas, para quem sabe que a esta altura do campeonato a gente não precisa de desculpas para ser feliz, pode-se comemorar com os amigos ou aproveitar para celebrar a infância que ainda existe em você.

Trouxe aqui algumas opções para deixar o seu Dia das Crianças mais feliz:

dia das crianças paa adultos 1

Quadrinhos – Quando eu era criança dizia que queria logo trabalhar e ganhar dinheiro para comprar ainda mais revistinhas em quadrinhos (eu não chamava de gibis) do que eu já tinha – e taí uma coisa que eu tinha muito! Já não são minha prioridade de compras, mas eu as compro de vez em quando, sim – são ótimas pra relaxar a mente, especialmente para a hora de dormir.

Música – Provavelmente você também lembra dos discos acima. Junto com vários outros, como o musical Arca de Noé e do grupo Trem da Alegria, fizeram parte da nossa infância. Seja na onda revival dos LPs em vinil ou nos aplicativos digitais, ouvir aquelas músicas sempre trazem boas lembranças.

dia das crianças para adultos 1

Brinquedos e jogos – O Playmobil pode se tornar uma peça interessante para deixar a decoração da sua casa mais divertida e você ainda pode exercitar a imaginação e dar “vida” a eles, como fazia antigamente. Jogos de tabuleiro são ótimos para chamar os amigos para uma noite de diversão, assim como boas partidas de videogame, que você pode jogar mesmo sem outras pessoas por perto. Boas opções para se presentear.

Guloseimas – Se você está procurando uma desculpa pra sair da dieta, hoje você tem a desculpa perfeita. Eleja o Dia das Crianças como aquele em que você vai se permitir comer bobagens calóricas e deliciosas. Amanhã você volta à sua reeducação alimentar sabendo que hoje foi só uma exceção gostosa e feliz.

Ainda tem os filmes e animações que você pode rever, ligar para os amigos de infância para retomar contato e relembrar aqueles dias de infância e tantas outras coisas boas que fazem que a criança que você um dia foi ainda se mantenha viva. Isso é bom para a saúde, para despertar a criatividade e a curiosidade e deixar a vida melhor. Feliz dia a todos!