A Ciência e os “atletas coroas” das Olimpíadas

Na semana passada fiz um post bacana aqui no blog, sobre os atletas de mais de 40 anos de idade nas Olimpíadas. Aí ontem saiu uma matéria muito legal, no Fantástico, também sobre esses atletas “coroas”, com foco no uso da ciência para que o fôlego e explosão muscular permaneçam, mesmo com o passar dos anos.

Biomecânica para identificar e corrigir desequilíbrios, remédios que evitam o endurecimento de fibras e até terapia genética, com o uso de células-tronco para que seja possível prolongar a vida como atleta já são realidades. Inicialmente esses trabalhos são voltados a atletas de alta performance, mas que podem servir a nós, simples mortais, também. Eu acho tudo isso muito interessante, porque, mesmo não sendo atleta, espero que, se tiver uma vida longa, que ela continue sendo saudável e independente. O que vocês acham disso?

A matéria completa do Fantástico está aqui.

Os +40 das Olimpíadas do Rio

Oksana Chusovitina, 41

Oksana Chusovitina, 41

A gente sabe que a maior parte dos atletas que estão competindo nas Olimpíadas do Rio de Janeiro é formada por gente bem novinha. Alguns ali são adolescentes mesmo. Na ginástica artística, por exemplo, tem gente de 13 anos de idade! Pois foi justamente nesse esporte que uma atleta chamou atenção por causa mesmo da idade: Oksana Chusovitina, que veio competir em uma Olimpíada pela sétima vez, aos 41 anos! Ela tem um filho de 17 anos, ou seja, ele é da idade de muita gente que concorre com essa atleta do Uzbequistão.  Pois fica ligadinho que hoje tem final de competição com ela!

Porém, Oksana não é a única atleta com mais de 40 anos competindo na Olimpíada do Rio de Janeiro. Nas provas equestres, por exemplo, temos Willian Fox-Pitt (47, Grã Bretanha), Steffen Petters (EUA, 51 anos), Beezie Madden (EUA, 52), Philip Dutton (EUA, 52), Mark Todd (Nova Zelândia, 60 anos) e a australiana Mary Hanna, que fará 62 anos em dezembro. Também no hipismo e com 62 anos tem Julie Brogham, da Nova Zelândia. Isso só pra citar alguns, já que é nas provas de hipismo que se encontra alguns dos atletas com idade mais avançada.

Tem mais: a primeira medalha de ouro olímpico da história do Vietnã veio de Hoang Xuan Vinh, de 41 anos, no tiro com pistola. A média de idade da equipe de tiro dos Estados Unidos é de 51 anos! E não pense que é só nas provas que talvez alguns pensem que exijam menos fôlego que os “acima dos 40” estão: olha o maratonista Meb Keflezighi, de 40 anos, pra provar isso – mesma prova do australiano Scott Westcott, de 41 anos. Do Brasil a atleta com mais idade é Janice Teixeira, do tiro, que tem 54 anos e supera um AVC (!!!).

A gente sabe que a grande maioria desses atletas de elite – se não todos – não começou a praticar esportes agora, começou bem jovenzinho. Mas, uma coisa é certa: mesmo hoje, com mais de 40 anos, eles têm saúde, fôlego, enfim, preparo físico de dar inveja a muita gente mais jovem. Tem vários fatores envolvidos, sendo genética e disciplina com treinos e alimentação, certamente, grandes destaques. Provavelmente começando hoje, já adultos, é bem difícil chegar em um nível olímpico, mas pode ser uma boa ideia tê-los como exemplo pra começar a praticar algum esporte, sabendo que, com dedicação, não tem essa de não ter mais idade pra ser atleta, certo? Medalha de ouro pra todos eles!

Asus mostra novos membros da “família Zenfone”

Já disse aqui que não sou a loka das trocas de celulares, mas amo quando tem uma novidade na área. Como consumidora comum que sou, me fixo mais nas coisas que são palpáveis do que no “motor” da coisa, ou seja: reparo mesmo é se tem vidro que não arranha, se faz boas fotos e se aguenta o tranco de ter um monte de coisas ativas ao mesmo tempo sem pifar e, claro, se a bateria vai embora rapidinho ou fica.

Então hoje a Asus, de que já falei aqui no blog, lançou, durante a Computex, evento que reúne gente de Tecnologia do mundo inteiro em Taipei, seus novos aparelhinhos. Fiquei bem impressionada, viu? Boas funcionalidades, “motor” forte e ainda são lindos! Reuni numa imagem algumas coisas que me chamaram a atenção nessas novidades, o Zenfone 3 Deluxe (sim, de luxo puro, digo logo que #quero), Zenfone 3 e Zenfone 3 Ultra. Olha aí:

Novidades asus (1) zenfone 3 deluxe ultra

Ainda não sei quando esses celulares chegarão ao Brasil, mas já fiquei com vontade de ter uma belezoca dessas. Na ocasião do lançamento dos novos Zenfone a Asus também lançou novos notebooks, ultrabooks e até um robô doméstico bem bacana e muito bonitinho, o Zenbo. Ah, tecnologia! Taí uma coisa que fico feliz de a gente ter “alcançado” – ô, coisa boa pra facilitar o dia a dia!

*Aqui nesse post eu falo do inicio da minha “relação’ com a Asus. 

Promessas de ano-novo no celular

app para resoluções metas de ano novo

Eu tento não fazer promessas para o ano-novo porque sei que não cumpro a maioria delas. De qualquer modo, é sempre bom pensar que pode melhorar algo em si, em qualquer tempo que seja – e a chegada de um novo ano é um bom marco para começar algo bom.

Então, se você está planejando algumas coisas para 2016, como começar a se exercitar, economizar, iniciar uma dieta, dar uma chance ao amor ou fazer uma viagem, entre outras ideias, trouxe aqui alguns apps de celular que podem ajudar a manter as resoluções de pé. Dá uma olhada:

  • Prometeu que se exercitaria mais ou que, pelo menos, sairia do sedentarismo? Existem zilhões de apps para acompanhar o seu progresso nas atividades físicas! Eu gosto do Google Fit, que é bem simples de entender e me serve bem para ver pelo menos quanto andei nos esforços de “desce na parada de ônibus mais longe” ou “sobe de escada em vez de elevador”. Quando estava na caminhada para exercitar mesmo, curtia usar o Runkeeper (aqui, se usa Android). Vamos fazer ioga? O Pocket Yoga, disponível em várias plataformas, traz várias posturas.
  • Vai fazer dieta? Que tal pelo menos ter uma alimentação mais saudável? Outros zilhões de apps, como o Nutra Bem ou o Dieta e Saúde – este, com a famosa Dieta dos Pontos, do dr. Halpern (aqui, se usa iPhone).
  • É pra economizar dinheiro? Eita, que essa não é nada simples! Mas, se você acha que um app que ajude a controlar as contas e planejar gastos vai colaborar com essa meta, é isso aí: use! Me sugeriram dois: o Organizze e o Guia Bolso. Nunca usei, só fiz dar uma olhadinha neles, mas me parecem bem fáceis de usar.

goaltracker2

Mas, se você acha que o que precisa mesmo é de “puxões de orelha”, de vez em quando, saiba que também existem aplicativos para lembrar de cumprir metas! A leitura diária do livro, o exercício físico, tomar mais água, não fumar, seja lá qual for a atividade, basta cadastrar e os avisos chegarão. Toma aí uma listinha de alguns desses apps (alguns no iTunes, outros na lojinha do Google):

  • Goal Tracker – o visual dele é muito bacana, é fácil de usar
  • Way of Life – o gráfico faz você entender bem o seu progresso nas metas
  • Habit List – as barras que mostram como anda seu desempenho ajudam a verificar, por exemplo, os melhores horários de atividades para você
  • Diário de Sucesso Puncher – neste você também pode avaliar o dia
  • Life Goals Free – para Windows Phone. Básico e bacana.
  • Habit Goals – estabeleça metas de todos os tamanhos
  • Any.do – para várias plataformas, é um dos mais usados no mundo!

Pronto! Se o problema era saber que bastam apenas alguns dias do novo ano chegarem que as metas já vão pro espaço, agora já sabe o que pode fazer pra ajudar a mantê-las.

Uma boa mudança de hábitos é, muitas vezes, o melhor a se fazer para alcançar o sucesso, concordam? Então vamos lá instalar os aplicativos e FELIZ ANO NOVO pra todo mundo! Um 2016 cheio de saúde, alegria e energia pra essa gente boa que passou dos 40 anos! “Vamoquevamo”!

A volta das pochetes

As pochetes estão de volta! Nem me refiro à gordurinha na cintura, mas aos cintos com bolsinha mesmo, que a gente (eu, pelo menos) usou lá entre meados da década de 80 até o início da década de 90, até se tornar um dos objetos preferidos dos cobradores de transporte alternativo e demais cafuçus. Pois agora é modinha, viu?

Tem gente que vai dizer que o que existe hoje não é a pochete, mas a “fanny pack”, que é apenas o nome em inglês desse acessório “polêmico”. Enfim, eu vi pessoalmente o “cinto com bolsinha” na Renner, dia desses. Acabei de rever no blog da loja e também no site de várias outras marcas, inclusive internacionais e “finas”, como a Channel. Olha aí alguns exemplos:

pochete 1 - Renner

pochete valentino fanny pack chanel

pochete 4 - bottega venetapochete gucci fanny pack louis viuttonViram que não são pochetes como aquelas das décadas 80/90, mas artigos mais elaborados, com designs diferentes. O acessório tem ensaiado a sua volta ao uso comum há alguns anos, mas sempre recebe muitas críticas, de que seria horroroso e até o pior artigo de moda já feito – nem acho. Só sei que é um tipo prático de bolsa, que pode combinar com um visual minimalista e eu não vou dizer que jamais usaria. Vamos ver se desta vez emplaca.