Janet Jackson é mãe aos 50 anos

 

Janet Jackson e Wissa Al Mana. Foto daqui.

Nasceu ontem o filho da cantora Janet Jackson. O bebê se chama Eissa Al Mana e é filho da artista com o seu marido, o empresário do Catar Wissa Al Mana. Claro que estamos falando nisso não pela fama, apenas – afinal, não é blog de celebridades, mas porque esse é o primeiro filho de Janet Jackson (assumido, já que há boatos de que ela teria uma filha) e ela já tem 50 anos de idade – o que dá uma certa alegria para quem já passou dos 40 há algum tempo e pensa em gravidez, certo? Afinal, mesmo com todos os recursos que existem, para muita gente ainda há um certo receio em relação a gravidez tardia – e esse assunto interessa ao blog.

Até coloquei aqui no blog quando foi oficialmente divulgada a gravidez dela! Ainda não foram divulgadas fotos da criança ou da mãe após o anúncio, mas, pelo que li em vários sites, correu tudo bem e tranquilamente, auxiliada por uma mega equipe médica. Que tudo continue bem e cada vez melhor, então. :)

“First Comes Love” – a batalha relógio biológico x vontade de ter filhos

Eu, realmente, não sei. Não adianta me forçar a barra, perguntar, lembrar que em poucos meses farei 43 anos e que já tirei miomas do útero…realmente não sei se toparia ter filhos “sozinha”, melhor, a chamada “produção independente”. Há um tempo vi o documentário “First comes Love”, disponível no Netflix, escrito, dirigido, produzido, editado, filmado e editado por Nina Davenport, pra ver se me vinha uma “luz” (com trocadilho) sobre o assunto.

A documentarista mostra a sua saga pessoal para ter a sua produção independente, fora do convencional, após os 40 anos de idade. Porém, válido dizer, com apoio de uma amiga querida (bata apoio mesmo, que esteve ao lado durante toda a gestação e até no parto), com um amigo gay bem de vida e saudável como doador do esperma, um namorado que tinha um carinho quase paterno pelo menino antes mesmo dele nascer e ela própria um enorme desapego por muitas coisas – materiais, especialmente.

O grande problema de Nina era com o pai e a perda da mãe no decorrer da história foi extremamente pesado, mas ela  teve  um apoio que, provavelmente, pouquíssimos teriam. De qualquer modo, não é leve, é bastante pesado mesmo. O documentário é muito verdadeiro, mostra como ela precisou abrir mão de tantas coisas, mas que, para ela, provavelmente fosse mesmo o mais importante – afinal, era o filho o que ela mais queria.

Não consegui ver o vídeo inteiro de uma só vez. Lembrei de momentos em que poderia ter acontecido do jeito que eu imaginava e não aconteceu. E me liguei que hoje nem imagino mais nada muito exato. Se acontecer, ótimo. Se não, ok. O que quero? Não sei. Melhor não querer nada e esperar que aconteça, aprendi isso com o tempo. Mas se um filho me acontecesse eu ficaria feliz e tentaria ser forte, como fui em outros momentos que achava que não conseguiria, mas fui.

First Comes Love, by Nina Davenport.

First Comes Love, by Nina Davenport.

Talvez não conviver com crianças não me desperte tanto isso – não tenho sobrinhos e quase não vejo os filhos de primos ou de amigos. Meu relógio biológico não vai demorar muito a parar por si só, mas há métodos pra prolongar essa história…e o que rolar, rolará, pronto. Já me aperreei mais com isso, há outras coisas para me aperrear. E sempre há adoção, afinal.

Aconselho ver o documentário. É emocionante, engraçado, tocante, sério, verdadeiro e ganhador de muitos prêmios (merecidos). Tem também livro e página do Facebook sobre o assunto. Pra ver tudo. acesse o site aqui.

Janet Jackson pausa turnê para ser mãe…aos 49

Saiu esta semana: a cantora Janet Jackson resolveu dar uma pausa na turnê “Unbreakable”, que estava fazendo, para um “planejamento familiar”. Bem, pelo menos foi isso que ela mesma declarou em um pronunciamento em vídeo, na internet.

Como ela também fala que nesse tempo irá descansar, por “ordens médicas”, logo se imaginou, juntando uma coisa e outra, que ela se refere a ficar grávida – isso se já não estiver esperando uma criança, né? O que deixou muita gente espantada foi o fato de ela querer fazer isso agora, aos 49 anos de idade (no dia 16 de maio fará 50).

Bem, certamente ela tem acesso aos mais modernos tratamentos e deverá ficar cercada de todos os cuidados para que tudo dê certo, conforme os planos. Janet ainda não tem filhos*, então, se der certo, acho que serve até como um ânimo pra quem também está tentando, mesmo depois da idade que se convencionou ser mais “normal” ser mãe.

* Há boatos de que ela teria uma filha que teria ficado escondida do público por toda a vida, que estaria hoje com 28 anos – mas Janet Jackson afirma que é mentira. 

  • Quem me deu o alerta sobre o assunto foi Sam Shiraishi, do A Vida Quer. Tks, Sam! ;)

Gravidez depois dos 40

gravidez depois dos 40

Passou o dia das mães e não falei nada a respeito aqui no blog. Aliás, não tenho colocar nada aqui e o motivo é simples: estou de férias, estava viajando e me dediquei com empenho à tarefa de não fazer nada (relacionado a trabalho, pelo menos).

Mas sempre é tempo de falar sobre um assunto importante como as mães e escolhi começar um tema que tem bem a ver com o blog: ficar grávida depois dos 40 anos de idade. Taí uma das poucas coisas que realmente me preocupam nisso de idade: chegar em um ponto que não possa mais ter filhos. Sim, eu gostaria de ser mãe, mas me conheço e sei bem que não toparia uma produção independente de modo espontâneo, nem engravidar de um cara qualquer, com quem eu não tenha um relacionamento de fato. Parece antiquado, talvez seja, mas eu sou assim, gostaria que, se tivesse um filho, fosse de alguém que pelo menos um dia tenha sido importante pra mim, de alguma forma.

Bem, o fato é que se eu tiver filhos, serei uma quarentona mãe de bebê. Levando em conta que na semana passada estive com a minha ginecologista e ela disse que, de acordo com meus exames, devo demorar bastante ainda para entrar na menopausa, ainda há chances. Então procurei saber mais detalhes sobre ser mãe depois dos 40 anos. Aliás, o número de mulheres que decidem engravidar apenas depois dessa idade vem aumentado bastante a cada ano, por um motivo bem simples: a dedicação ao trabalho e ao crescimento na carreira fazem com que adiem o plano de começar a própria família.

Quando comecei o post lembrei logo da Samantha (@samegui), do blog “A Vida Quer“. Quem a conhece pôde acompanhar quando ficou grávida de Manu (que já está com dois anos). A Sam já era mãe de dois adolescentes quando engravidou, sem planejar. Era a menina que sempre quis. Ela já seguia um estilo de vida saudável, com alimentação correta e tudo mais, mas também teve cuidados especiais, já que é, de todo modo, uma gravidez de mais de 40. Manu chegou saudável e linda e continuamos a acompanhar a sua vida, a educação que tem recebido, o modo de viver e todo o amor que tem na família. E sabe o que? É reconfortante saber que foi e continua tudo bem.

Sim, é preciso ter consciência que uma gravidez em uma mulher com idade acima dos 40 anos normalmente demanda mais cuidados do que em uma grávida mais jovem. Isso porque é mais comum, a partir dessa idade, termos problemas como pressão alta ou diabetes, que se agravam ainda mais na gravidez. O coração também trabalha com mais intensidade, assim como a circulação, então é preciso que tudo esteja na mais perfeita ordem e é preciso observar tudo com mais cuidado, porque o risco para uma grávida +40 é maior mesmo. Isso sem mencionarmos que o risco de abortos espontâneos são mais comuns a partir dessa idade, bem como os casos de bebês com algum problema na sua formação.

Bom, a minha avó materna (já falecida) teve o filho caçula aos 40 anos – isso nos anos 50. Tudo era bem diferente naquela época. Ela e meu avô já tinham outros filhos, a gravidez não tinha sido programada (obviamente) e ela sentia uma certa vergonha em ser uma grávida “velha” (para a época). O médico a atendia em casa, porque ela não queria que a vissem naquele “estado”. Mas deu tudo certo e meu tio Cláudio, de quem herdei o nome, nasceu bem, recebeu todos os paparicos da família e é um homem adulto, com filhos também já adultos.Ou seja: se deu tudo certo com ela há mais de meio século, por que não poderia dar comigo hoje, quando temos mais acesso a cuidados médicos e melhor acompanhamento.

Não tenho vontade de ter uma produção independente, fazer fertilização ou engravidar de algum cara que não tenha significado nada para mim, entende? Pode parecer careta para alguns, mas é assim que eu quero pra mim. Se acontecer, ficarei feliz. Se não, paciência – não seria a primeira vez que não aconteceria algo que eu quisesse, afinal. Ainda tenho um exame para fazer, que vai me mostrar como estão os miomas que carrego e se é caso de cirurgia (já passei por isso uma vez, se for necessário, passarei de novo) e que vai determinar meu grau de fertilidade. Aí só vai faltar um “detalhe”, que vocês sabem bem qual é. ;)

É isso. Se você teve filhos depois dos 40 anos de idade, me conta aqui nos comentários como foi, que eu realmente quero saber.

P.S. Aproveito para deixar alguns links sobre maternidade +40 que achei interessantes:

Mãe aos 40

– Esse texto no site do IPGO

– Esse texto no Canal Baby Center, que mostra as vantagens em engravidar depois dos 40

– Essa matéria no site da Abril sobre os riscos da gravidez pós-40

P.S. O que vocês achariam de também fazer um post sobre homens que se tornam pais a partir dos 40 anos?