Os quarentões dominam a internet

internet

Nesta sexta-feira (25/11) o IBGE divulgou uma pesquisa que o grupo de brasileiros que têm entre 40 e 49 anos foi o que mais cresceu no acesso à internet entre os anos de 2014 e 2015. Somos 30,3 milhões de quarentões acessando a web, um crescimento de 13,9% no período pesquisado. Estima-se que 55,3% dos brasileiros nessa idade acessam a rede.

Foi maior o número de pessoas entre 40 e 49 anos que passaram a acessar a internet do que os de qualquer outra faixa de idade. No Brasil 102,1 milhões de pessoas de 10 anos de idade ou mais acessam a internet – 57,5% da população. O segundo grupo que mostrou mais crescimento aconteceu na faixa dos que têm 50 anos de idade ou mais.

E ainda há quem ache que internet é coisa pra adolescente! Pode isso?

Jogador de futebol americano…aos 55

 

Imagem: FOX Sports

Imagem: FOX Sports

Alguns sonhos que a gente vai deixando pra mais tarde – e eu super incentivo que você os tente realizar, seja lá quando quiser e puder – são até relativamente simples de serem realizados, especialmente quando dependem só da gente mesmo.

Mas, e quando parecem impossíveis? Parece que o lance é acreditar ainda mais! Veja só o exemplo de Joe Tomas Sr, dos Estados Unidos, que por 36 anos sonhou em jogar futebol americano pelo time universitário pela South Carolina State University e agora, aos 55 anos, realizou o sonho! Ele se tornou o running back mais velho da história do time. Pra chegar lá, ele teve ajuda do filho, o jogador profissional Joe Tomas Jr.

Foi só por um dia, mas o desejo foi atendido e ele jogou e o time ganhou. Isso é mais que suficiente, não acham? Mais um ponto pra o “nunca é tarde” que o #Novos40 tanto prega.

Vi a história no Blavity.

Os estagiários de 40 anos

estagiario

O post não é sobre aquele filme “O Senhor Estagiário”, sobre o qual escrevi há tempos, mas sobre a vida real: com a crise e a falta de empregos, tem muita gente de 40 anos de idade ou mais conseguindo vaga de estagiário em empresas. Um recomeço mesmo, novos caminhos. Vi o assunto esta semana em uma matéria no Bom Dia Brasil, não sei se vocês acompanharam – vale dar uma olhada.

Muitas empresas têm visto os “quarentões” como vantajosos porque têm vontade de aprender, têm garra, responsabilidade, tranquilidade e não “acham que sabem de tudo”, como muitas pessoas mais jovens. Já são milhares de estagiários com mais de 40 anos em todo o país. Bem, como tudo que existe, a novidade tem coisas boas e ruins:

Os salários são mais baixos (e o mercado quer pagar menos a pessoas com boa experiência, sejamos claros), mas pode ser um “abre portas” para um emprego, um despertar para uma nova carreira. E, em tempos de crise, uma saída para um dinheiro extra, afinal. A matéria do Bom Dia Brasil foi feita a partir de uma pesquisa do CIEE. O vídeo completo da matéria sobre estagiários com mais de 40 anos pode ser visto aqui.

Deshun Wang, modelo aos 80, uma inspiração

deshun-wang-china

Deshun Wang é um modelo chinês que tem feito sucesso no mundo inteiro por vários motivos: ele é bonito, tem corpo bem esculpido, presença de passarela e em frente às câmeras fotográficas e tem surpreendentes 80 anos de idade. Os desfiles de que participa não são para “velhinhos”, é entre outros modelos mais jovens mesmo.

Um fato curioso é que muita gente tem dito que ele é um desses “sucessos instantâneos” da internet, ao que ele retruca, dizendo que se preparou a vida inteira para este momento. Não que tenha desejado ser um modelo de passarela exatamente, mas foi estudou para ser ator, aprendeu outro idioma – quando já havia passado dos 40 anos!, perdeu tudo, recomeçou, aprendeu a nadar aos 50, voltou aos palcos aos 57, começou a se exercitar pra valer, pra deixar o corpo malhado, quando já estava com 70 anos de idade e fez o primeiro ensaio fotográfico aos 70!

Agora que ele é um modelo mundialmente famoso, o que será que espera? Ele mesmo diz, no vídeo abaixo:

Na China ele já deveria estar compulsoriamente aposentado, mas está na luta e cheio de sonhos, provando que nunca é tarde pra seguir seus sonhos. Uma boa inspiração pra começar a semana, não acham?

“First Comes Love” – a batalha relógio biológico x vontade de ter filhos

Eu, realmente, não sei. Não adianta me forçar a barra, perguntar, lembrar que em poucos meses farei 43 anos e que já tirei miomas do útero…realmente não sei se toparia ter filhos “sozinha”, melhor, a chamada “produção independente”. Há um tempo vi o documentário “First comes Love”, disponível no Netflix, escrito, dirigido, produzido, editado, filmado e editado por Nina Davenport, pra ver se me vinha uma “luz” (com trocadilho) sobre o assunto.

A documentarista mostra a sua saga pessoal para ter a sua produção independente, fora do convencional, após os 40 anos de idade. Porém, válido dizer, com apoio de uma amiga querida (bata apoio mesmo, que esteve ao lado durante toda a gestação e até no parto), com um amigo gay bem de vida e saudável como doador do esperma, um namorado que tinha um carinho quase paterno pelo menino antes mesmo dele nascer e ela própria um enorme desapego por muitas coisas – materiais, especialmente.

O grande problema de Nina era com o pai e a perda da mãe no decorrer da história foi extremamente pesado, mas ela  teve  um apoio que, provavelmente, pouquíssimos teriam. De qualquer modo, não é leve, é bastante pesado mesmo. O documentário é muito verdadeiro, mostra como ela precisou abrir mão de tantas coisas, mas que, para ela, provavelmente fosse mesmo o mais importante – afinal, era o filho o que ela mais queria.

Não consegui ver o vídeo inteiro de uma só vez. Lembrei de momentos em que poderia ter acontecido do jeito que eu imaginava e não aconteceu. E me liguei que hoje nem imagino mais nada muito exato. Se acontecer, ótimo. Se não, ok. O que quero? Não sei. Melhor não querer nada e esperar que aconteça, aprendi isso com o tempo. Mas se um filho me acontecesse eu ficaria feliz e tentaria ser forte, como fui em outros momentos que achava que não conseguiria, mas fui.

First Comes Love, by Nina Davenport.

First Comes Love, by Nina Davenport.

Talvez não conviver com crianças não me desperte tanto isso – não tenho sobrinhos e quase não vejo os filhos de primos ou de amigos. Meu relógio biológico não vai demorar muito a parar por si só, mas há métodos pra prolongar essa história…e o que rolar, rolará, pronto. Já me aperreei mais com isso, há outras coisas para me aperrear. E sempre há adoção, afinal.

Aconselho ver o documentário. É emocionante, engraçado, tocante, sério, verdadeiro e ganhador de muitos prêmios (merecidos). Tem também livro e página do Facebook sobre o assunto. Pra ver tudo. acesse o site aqui.

Milionárias depois dos 40

piscina-de-dinheiro

Há dias estou com essa matéria que li no Mail Online (jornal britânico) pra repercutir aqui, sobre três mulheres que ficaram milionárias depois dos 40!

Uma é Belinda Grashion, que, aos 41, mãe solteira, vivia de coletar benefícios e fazia massoterapia em meio expediente. o dinheiro não era suficiente nem pras filhas irem nos passeios da escola. Ela, que nunca havia trabalhado, participou de um workshop e passou a trabalhar no setor imobiliário, pegando casas que estão com hipotecas vencidas, valorizando-as e repassando-as a valores mais altos (ou algo assim). Deste modo construiu uma fortuna em apenas quatro anos e, hoje, aos 56, gaba-se das casas milionárias, dos carros que tem e das viagens que faz.

Outro exemplo é Bernadette Doyle, 41 anos, ficou milionária como uma espécie de consultora., ensinando pessoas a maximizarem seus lucros mexendo em aspectos dos seus negócios online. Hoje ela tem uma vida confortável, faz parte de um grupo de consultores empreendedores e leva os filhos em viagens ao redor do mundo.

O terceiro exemplo é Geeta Sidhu-Robb, mãe de três, dona de uma empresa de comida saudável. Já trabalhou como advogada, morou de favor, com os filhos, na casa de amigos e já chegou a parar em um hospital, de pura exaustão. Pra poder trabalhar de casa, começou a fazer comida saudável para vender aos amigos, um negócio que fez tanto sucesso que acabou vendendo seus produtos pela Amazon. Hoje ela tem 49 anos e está rica.

money-idea

Talvez a gente caia logo naquela de dizer que é sorte, já que tanta gente tenta o mesmo que elas, sem o mesmo sucesso. Mas prefiro focar em outros aspectos: elas não se apegaram ao fator idade ou a outros problemas que tinham – observe que todas tinham filhos, por exemplo – mas focaram no que precisavam fazer para que tudo desse certo, procuraram e acharam um nicho em que pudessem atuar e foram persistentes até que conseguissem.

Bom pra gente se ligar que não tem idade pra começar um novo negócio e – quem sabe? – até dar tão certo quanto o dessas mulheres da matéria? Elas são pessoas comuns, nada fora do normal, que tiveram boas ideias e as agarraram. O negócio é esse: não deixar as boas ideias escaparem!

Você vê a matéria original aqui.

 

Marion Cotillard, 41, grávida

marion-cottilard

A atriz francesa Marion Cotillard anunciou há poucos dias que está grávida do seu segundo filho, isso poucos dias depois de ter sido jogada no meio de um dos boatos da separação de Brad Pitt e Angelina Jolie (e logo ter dito que não tem nada a ver com o assunto do casal). Cotillard, que tem 41 anos, é conhecida, entre outros filmes, pelos seus papeis em Piaf (pelo qual ganhou o Oscar), Inception e Big Fish, entre outros.

Foi ela mesma que anunciou a gravidez, há duas semanas, pelo próprio Instagram, com um post com verdades bem ditas pra quem estava dizendo o que não devia, já que ela acabou falando nisso só porque estavam dizendo que ela seria o pivô da separação do casal Brangelina (isso porque ela está lançando um filme com ele)!

marion-cotrillard-post-pregnant

“Esta vai ser minha primeira e única reação à notícia-turbilhão que quebrou 24 horas atrás e que eu estava preso em mim. Eu não estou acostumada a comentar sobre coisas como esta, nem levá-las a sério, mas que esta situação é uma espiral e afetando pessoas que eu amo, eu tenho que falar. Em primeiro lugar, muitos anos atrás, eu conheci o homem da minha vida, pai do nosso filho e do bebê que está esperando. Ele é o meu amor, o meu melhor amigo, o único que eu preciso. Em segundo lugar àqueles que têm indicado que estou arrasada, estou muito bem, obrigada. Essa conversa elaborada não é angustiante.
E a todos os meios de comunicação e os inimigos que são rápidos para julgar, eu sinceramente desejo-lhe uma rápida recuperação. Finalmente, eu faço muito desejo de que Angelina e Brad, tanto a quem eu respeito profundamente, vai encontrar paz neste momento muito tumultuado.
Com todo o meu amor”.

De tudo isso, só uma coisa: que desnecessárias, essas fofocas. Nada a dizer sobre o casal, mas muita saúde a Marion, a nova mamãe quarentona, e seu bebê! :)

Sobre hambúrgueres, cervejas e harmonização

kwai-hamb-harmonizar-cervejas

kwai-hamburguer-harmonizacao-cervejas

Comer e beber estão entre as melhores coisas da vida, mas taí uma coisa que estou aprendendo a fazer só depois dos 40: harmonizar alimentos e bebidas. Admiro quem sabe fazer. Aliás, não é coisa que é feita só com vinhos, sabia? Pode ser também com uísques, espumantes, cafés e cervejas, por exemplo. E foi para uma harmonização de cervejas com hambúrgueres que fui convidada a ir dia desses, na Kwai hamburgueria, que recentemente  ampliou a sua carta de cervejas especiais, e ganhei uma verdadeira aula!

De início parece uma bobagem, mas é algo químico mesmo, sabe? Cheira a cerveja e é uma coisa, morde o sanduíche e cheira a cerveja e já se transforma, morde o sanduíche e toma um gole da cerveja e tudo muda outra vez! O sabor que era um pouco picante fica forte ou fica mais doce…impressionante. Tudo se transforma completamente conforme passa pelas papilas gustativas e o modo como isso é formado é que torna esse processo genial!

Na noite de harmonizações da Kwai eu tomei as cervejas Ashby Hops Clara, acompanhada do BurgueGiana – uma espécie de hambúrguer a parmegiana: a Heilighe APA, que tem sabor cítrico, e acmpanhou o Citra Burger, que tem, na combinação, um incrível barbecue de tamarindo com lúpulo citra e, ainda, a Backer Brown Ale, com o Turbacon, que leva, obviamente, bacon e queijo gouda. Bem, já fica aí a sugestão pra deixa o domingo bem gostoso! Pra mima, a harmonização de cervejas contou como uma nova experiência #depoisdos40. 

Noite para dançar no Recife: Camaleão

noite dançar recife camaleão

Quando falo a respeito do blog pra pessoas de 40 anos é bem comum que alguém me peça pra fazer um post sobre lugares pra sair pra dançar, mas que não seja “cheio de gente novinha”. A verdade é que não sou de “sair pra dançar” e, nas raras vezes que faço isso, não me importo muito se está cheio de novinhos ou de gente bem mais velha, desde que eu esteja com meus amigos – e tá ótimo. Então posso ir pra uma Odara e pra um Clube das Pás (nunca fui, mas adoraria), que tá legal.

Mas, se é pra falar de um lugar “da night” recifense onde você certamente encontrará o povo entre 40 e 50 anos, este é o Camaleão. O bar existe há décadas e tem a seguinte proposta: lugar pra beber e dançar. A casa tem DJ e o som é, majoritariamente, de músicas (quase totalmente gringas…não lembro se tocou música brasileira) dos anos 80 e 90. Muito rock e pop, geralmente.

Então pode contar com gente soltando o gogó e dizendo “eita, lembro dessa!” e relembrando de momentos bacanas de anos passados.  É um lugar que já existe há tanto tempo que é comum que a gente se espante com um “nossa! ainda existe???” quando alguém convida pra ir pra lá.

O Camaleão cobra entrada (fui na sexta-feira da semana passada e estava por 25 reais), então já vá prevenido pra somar isso à conta do que vai consumir por lá. Se você tiver menos de 40, talvez fique entre os “caçulas” da casa. Sim, tem bastante gente paquerando e sendo paquerada, justamente por causa do tipo de público que o Camaleão recebe, mas não é nada ostensivo ou constrangedor. Pode ir de boa, que o objetivo ali é, principalmente, se divertir, cantar, dançar, de boas, tranquilamente, e passar bons momentos.

Pronto, já fica a minha sugestão pra você programar a sua night. Se liga na fanpage do bar pra ver a programação!

Os +40 das Olimpíadas do Rio

Oksana Chusovitina, 41

Oksana Chusovitina, 41

A gente sabe que a maior parte dos atletas que estão competindo nas Olimpíadas do Rio de Janeiro é formada por gente bem novinha. Alguns ali são adolescentes mesmo. Na ginástica artística, por exemplo, tem gente de 13 anos de idade! Pois foi justamente nesse esporte que uma atleta chamou atenção por causa mesmo da idade: Oksana Chusovitina, que veio competir em uma Olimpíada pela sétima vez, aos 41 anos! Ela tem um filho de 17 anos, ou seja, ele é da idade de muita gente que concorre com essa atleta do Uzbequistão.  Pois fica ligadinho que hoje tem final de competição com ela!

Porém, Oksana não é a única atleta com mais de 40 anos competindo na Olimpíada do Rio de Janeiro. Nas provas equestres, por exemplo, temos Willian Fox-Pitt (47, Grã Bretanha), Steffen Petters (EUA, 51 anos), Beezie Madden (EUA, 52), Philip Dutton (EUA, 52), Mark Todd (Nova Zelândia, 60 anos) e a australiana Mary Hanna, que fará 62 anos em dezembro. Também no hipismo e com 62 anos tem Julie Brogham, da Nova Zelândia. Isso só pra citar alguns, já que é nas provas de hipismo que se encontra alguns dos atletas com idade mais avançada.

Tem mais: a primeira medalha de ouro olímpico da história do Vietnã veio de Hoang Xuan Vinh, de 41 anos, no tiro com pistola. A média de idade da equipe de tiro dos Estados Unidos é de 51 anos! E não pense que é só nas provas que talvez alguns pensem que exijam menos fôlego que os “acima dos 40” estão: olha o maratonista Meb Keflezighi, de 40 anos, pra provar isso – mesma prova do australiano Scott Westcott, de 41 anos. Do Brasil a atleta com mais idade é Janice Teixeira, do tiro, que tem 54 anos e supera um AVC (!!!).

A gente sabe que a grande maioria desses atletas de elite – se não todos – não começou a praticar esportes agora, começou bem jovenzinho. Mas, uma coisa é certa: mesmo hoje, com mais de 40 anos, eles têm saúde, fôlego, enfim, preparo físico de dar inveja a muita gente mais jovem. Tem vários fatores envolvidos, sendo genética e disciplina com treinos e alimentação, certamente, grandes destaques. Provavelmente começando hoje, já adultos, é bem difícil chegar em um nível olímpico, mas pode ser uma boa ideia tê-los como exemplo pra começar a praticar algum esporte, sabendo que, com dedicação, não tem essa de não ter mais idade pra ser atleta, certo? Medalha de ouro pra todos eles!