Christiane F, 51 anos

christiane f. nos dias de hoje

Muitos adolescentes na década de 80 leu o livro “Christiane F: 13 anos, drogada e prostituída”.  Para quem não leu,ele: narra a vida da adolescente alemã Christiane Felscherinow, que aos 13 se prostituía nas ruas de Berlim para sustentar seu vício em drogas. O livro mostra a sua relação com a família, conta como foi pra rua, os amigos que fez nas ruas, primeiro namorado e tentativas de deixar as drogas. O livro, que havia sido escrito em 1979, virou fenômeno mundial e tornou-se um filme também bastante famoso em 1981.

Alguns que leram aquele livro já se perguntaram, em algum momento, o que teria acontecido com Christiane ao longo do tempo. Se livrou das drogas? Morreu por causa do vício? Bem, no ano retrasado (em 2014 no Brasil) ela lançou o livro (escrito a quatro mãos com Sonja Vukovik) “Eu, Christiane F. A vida apesar de Tudo” onde conta o que depois da primeira obra até hoje. Ela está com 51 anos, tem um filho que na época do lançamento de “…A vida apesar…” estava com 17 anos, leva uma vida bem reservada, tem a saúde bem afetada por causa das drogas e vários conflitos internos por causa do livro que mostrou a sua vida aos 13 anos.

Ela se queixa de muitas coisas, como a perda da privacidade, o fato de até hoje ser apenas como a que se droga e se prostituía” e aparece bem amarga em várias passagens. Mas ela também conta como foi a viagem a NY para o lançamento do filme baseado em sua vida,como esteve presente em vários momentos importantes da história do rock/punk, da proximidade com famosos, dos lugares que conheceu, do tempo que morou na Grécia e do dinheiro que ganhou. Até hoje o livro de 1979 é sua grande fonte de renda. Em alguns momentos parece um tanto paranoica, não sei se com razão ou se é mais uma sequela do que viveu e tomou.

Bem, achei algumas passagens do “Christiane F.: A Vida Apesar de Tudo” um pouco cansativas, outras bem interessantes – especialmente as que ela conta o nascimento da onda punk. É bem fácil você sentir uma certa raiva por ela ter desperdiçado algumas boas oportunidades por causa do vício ou do medo – mas também sente uma vontade de ajudar.. De qualquer modo, achei bem interessante saber o que aconteceu com aquela menina que eu e o mundo conhecemos na década de 80. Se você também já leu, me conta o que achou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *