Bridget Jones, Renée Zellwegger e o tempo

download

No início dos anos 2000 eu era fã da Bridget Jones, personagem principal de dois livros escritos por Helen Fielding, que depois se tornaram filmes também bem-sucedidos. Assim como muitos leitores daquela época, fiquei entre a ansiedade e a apreensão, doida pra ler, quando soube que, 14 anos depois, Helen havia escrito um novo livro sobre a personagem: “Bridget Jones: Louca pelo Garoto”. Depois de toda essa expectativa eu o li e…não curti muito.

Talvez apenas não tenha me identificado, já que em “…louca pelo garoto” Bridget já tem mais de cinquenta anos (eu poderia jurar que tínhamos mais ou menos a mesma idade, só depois me liguei que eu devia ter 20 e poucos quando li os livros em que ela estava com 30 e poucos), é viúva (nem casei) e tem dois filhos pequenos, enquanto eu não tenho nenhum.

A impressão é que ela se tornou uma pessoa que não amadureceu: é relapsa com o trabalho e, em boa parte da história, também com os filhos. Parece mais preocupada com o próprio corpo e em como manter o namoro com o tal garotão do título (caso você não saiba, vou dizer algo que, a essa altura do campeonato nem é spoiler: Bridget ficou viúva) . Isso sem mencionar que a autora parece um pouco obcecada com vômito, gases e outras coisas assim. Enfim, não vou dizer que o livro é todo ruim, mas demorei um bocado pra achar partes que gostasse – até encontrei, mas, de modo geral, achei decepcionante.

Eu acho, que assim como Bridget, também há muita coisa em mim que não mudei e coisas que preciso amadurecer, mas eu creio que hoje seja melhor em vários aspectos, desde aquela época. Amadureci e melhorei em vários aspectos, entende? Por mais que esses nossos #novos40 (ou 50, no caso da personagem) nos permitam mais liberdade para ser imaturos, não se pode exagerar e a estrela do livro demora pra compreender isso.

Mas, enfim, se você leu os livros 1 e 2, acho que deveria lê-lo, apesar das críticas negativas – as minhas não foram as únicas – mesmo que seja de curiosidade em saber como continuou a saga da personagem. Não vá com muitas expectativas, mesmo que elas sejam apenas de gargalhar muito. Mas, se sair uma quarta parte, compraria apenas por pura curiosidade e nada mais. Se a sua opinião ao ler for diferente da minha, comenta aqui no post!

Falando em Bridget…

renée zewlegger 2014 bridget jones

Esta semana a atriz Renée Zelwegger, que estrelou os dois filmes sobre Bridget Jones, reapareceu em público, após um longo sumiço, e chocou muita gente. É que o rosto dela está tão diferente que houve quem não reconhecesse. Não tenho nada contra quem faz peelings, plásticas, aplicações e qualquer outro procedimento para se sentir bem com o próprio rosto ou corpo. Desde que esteja dentro de um limite razoável e a pessoa esteja feliz, acho ótimo, até. Mas nessa eu também estranhei bastante: ela não está apenas quase irreconhecível, ela aparenta estar bem mais velha do que realmente é – ela tem 45 anos, mas parece ter bem mais de 50, não acham? Bom, ela diz estar feliz, então ok, mas tudo que eu pensei quando vi a foto dela foi “já pode fazer o papel da Bridget cinquentona, inclusive a cena em que coloca Botox e não sai exatamente como queria”. rs

Em resumo: eu acho que Renée e Bridget tem algo em comum: o tempo não lhe foi muito favorável E você, o que acha dessa polêmica toda com as transformações do rosto dela? Além disso, você acha que curtiria um novo filme da trama? Aguardo os seus comentários!

1 pensou em “Bridget Jones, Renée Zellwegger e o tempo

  1. Pingback: Novo Bridget no cinema: voltei a me empolgar | Novos 40

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *